11 de agosto de 2015

Personalidades #9 - Jane Austen

Oi gente!

Depois de mostrar o início do mini-álbum do post anterior, era para eu começar a publicar as resenhas das obras de Jane Austen, mas então reparei que ainda não falei sobre ela aqui no blog. Sem chances né? Embora ela seja velha conhecida de muitos leitores, principalmente das mulheres que não abrem mão de uma boa história romântica, eu não me permito falar das obras sem antes falar dessa escritora que me inspira muito.

Jane Austen (1775 - 1817)
Jane Austen é um dos maiores nomes da literatura inglesa, assim como Shakespeare. Ao longo dos seus 41 anos de vida, ela escreveu seis romances, que hoje são conhecidos e algumas vezes, repetidamente "saboreados" por leitores do mundo inteiro (me incluo! rs). Também escreveu dois livros menores e dois romances inacabados. Com as metas de leitura do grupo "Heroínas de Jane Austen" que estou participando, resenharei todos eles aqui, além de outros autores cujas obras são inspiradas nela.

Foi em uma zona rural na Inglaterra que Jane Austen cresceu. Nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Severton, Hampshire, na casa da paróquia, pois seu pai era pastor. Ela tinha seus irmãos e uma irmã mais velha, a Cassandra, sua praticamente melhor amiga. A ligação das duas era tanta, que em alguns livros identifica-se uma analogia entre personagens, que remetem a ela e sua irmã. Inclusive, só temos um único retrato de Jane Austen, esse publicado acima, que foi melhorado a partir desse esboço em aquarela, feito pela própria Cassandra. 

Aquarela feita por Cassandra (hoje encontra-se na Galeria Nacional de Arte em Londres).

A família toda mudou-se para Bath em 1801 e quando seu pai morreu em 1805, ela com sua irmã e a mãe foram para Chawton, propriedade cedida por seu irmão. Uma curiosidade da época é que pela lei inglesa, às mulheres não era permitido herdar os bens da família. Isso explica o motivo de tantos casamentos arranjados (e ainda dizem que o romantismo era muito mais presente naquela época! só se fosse nos livros de Austen!!). Para uma mulher naquela época, ficar "para titia" era catastrófico. Mas não para Jane Austen, que nunca se casou. 

Casa onde Jane Austen viveu seus últimos anos hoje é um museu.
É isso mesmo. Austen, ao contrário de suas personagens não teve um final romanticamente feliz. Isso porque tinha apenas vinte anos quando flertou com um rapaz chamado Tom Lefroy, que estava de passagem por Steventon. Não existem evidências que houve algo sério e talvez pelo fato de que Lefroy não era de família rica, além das dificuldades financeiras de ambos, não houve apoio das famílias. Ele acabou se casando com outra, embora mais tarde admitisse ter amado Jane. O romance deles é retratado no filme "Amor e Inocência", de 2007, cuja direção foi de Julian Jarrold. Lindo filme, recomendo!

Retrato de Tom Lefroy - 1798

Quanto ao talento para escrever de Jane Austen, esse sim esteve presente em sua vida até o final. As duas irmãs não completaram seus estudos por falta de recursos da família. Mas Austen, mesmo sem educação formal, continuou lendo e procurava aprender tudo, ainda que limitada a pequena sociedade em que vivia. Embora sem muitas pompas, a casa da família sempre estava repleta de pessoas, facilitando as reuniões sociais, incluindo músicas no piano e pequenas apresentações teatrais. Acredita-se que foram desses momentos que surgiu a característica irônica de Austen, sempre presente em suas obras e tão aclamada. Com 11 anos, já escrevia pequenos contos que foram publicados mais de 100 anos depois da sua morte, com o título de Juvenillia. Aos 17 anos escreveu Lady Susan, um romance epistolar, e após terminá-lo escreveu seu primeiro romance longo, com o título "Elinor & Marianne", que depois ela mesma modificou para "Razão e Sensibilidade". Mas foi o segundo livro que se tornou a obra mais conhecida e preferida até hoje, pela maioria dos leitores. "Orgulho e Preconceito" sem dúvida é a cereja do bolo de Jane Austen.

Ilustração de Hugh Thomson para "Orgulho e Preconceito

Henry, o irmão de Jane, foi quem a ajudou com a publicação da primeira obra, em 1811, cujo sucesso depois levou a publicação das próximas, até "Emma", o último publicado antes de sua morte. Duas delas foram fruto de publicações póstumas, e só então foi que Henry identificou sua irmã como autora das obras, em nota bibliográfica. É, uma mulher escritora naquela época era incomum e sabem o que era comum? As obras serem rejeitadas sem nenhuma observação do conteúdo, apenas pelo fato de serem escritas por mulheres. Pois é.

Mas desta vez o preconceito não ganhou a parada. Jane Austen morreu em Winchester, tornando-se após dois séculos, uma escritora eternizada como a primeira romancista moderna da literatura inglesa. Seus clássicos são reconhecidos pela linguagem de ironia sutil, encoberta pela leveza de uma percepção psicológica sem igual, que ela atingiu apenas com seu poder de observação. Jane Austen é um ícone da literatura romântica, inspira obras contemporâneas, ilustrações, estudos e até jogos.

Jogo para PC inspirado em "Orgulho e Preconceito"

Jogo para tabuleiro inspirado em "Orgulho e Preconceito"

Selos comemorativos dos 200 anos de publicação de "Orgulho e Preconceito"
Dá para reparar que o livro mais famoso de Jane Austen é "Orgulho e Preconceito" né? E coincidentemente, por ser o segundo em ordem de publicação, é o que estamos lendo no grupo. Então logo trago a resenha, mas não antes de publicar a resenha de "Razão e Sensibilidade". Além disso, além de outros escritos pela autora que não os principais, descobrimos vários livros inspirados em suas obras e em sua vida. Dá só uma olhada!

Alguns livros complementares de Jane Austen e/ou inspirados no tema.

É livro que não acaba mais hein? E a meta de leitura só aumenta! Então também declaro abertos aqui no blog os trabalhos literários com tema Jane Austen! Porque ler nunca é demais!

Beijos!

1 comentários:

Patricia Dias disse...

Fiquei doida por esse jogo de tabuleiro, kkkkk
Adoro!!!!!
Com certeza, esse grupo vai longe! É muito livro bom pra ler.

Bjs