19 de setembro de 2018

EU LI: Ima - Sempre em Frente (Eric Peleias)

Oi gente!
Conheci o autor Eric Peleias na Bienal de Quadrinhos 2018, aqui em Curitiba. Parei no estande dele porque bati o olho no seu novo trabalho, “Até o Fim”, que já é bem comentado positivamente nas redes sociais.

Mas conversando com o Eric, ele me contou como foi que surgiu “Ima - Sempre em Frente”. A HQ é um trabalho biográfico em volume único, escrito e ilustrado pelo Eric, que conheceu a protagonista pessoalmente e decidiu contar para nós a sua história. Ali eu não tive mais dúvidas que era a Ima que eu levaria para casa. =)

O prefácio é do ator Dan Stulbach e na história vamos conhecer uma personagem real, a Julia, que após a invasão da Áustria pelos alemães em 1938, foi enviada por seus pais aos EUA, para fugir do Holocausto. Julia saiu do seu país sozinha, com uma mochila e o coração aterrorizado.
*pausa para me encantar mais uma vez com essa dedicatória tão especial: "Siga sempre em frente"! E quem me conhece não sabe meu lema? "Devagar e sempre". Né?

Abri a HQ já com o coração na mão, porque eu sabia que me emocionaria. Para amplificar minha leitura, descubro que eu e Julia temos em comum nossa data de aniversário: 15 de fevereiro. Pode parecer bobagem mas para uma leitora como eu, que gosta de vivenciar a leitura, foi bem intenso. Como toda a história a seguir, uma jornada linda, inspiradora, tocante e contada pelo Eric da maneira mais suave e linda que já li em qualquer outra narrativa sobre o tema.

A história é triste? Claro que é. Nenhuma história nessa temática é gostosa de se ler. Mas a história da Julia tem tanta esperança e coragem, que não tem como não se alegrar junto com ela, conforme a narrativa vai avançando.

Recomendo para quem gosta da temática e também para quem está iniciando na leitura de quadrinhos, pois a narrativa é linear e as imagens são limpas e delicadas. Destaco uma particularidade da HQ, as cores claras ajudam o leitor a valorizar o lado belo da história e não as atrocidades.


Ao fechar a HQ, meu sentimento era indescritível. Tão bom saber que em meio a tantos horrores na história da humanidade, sempre existiram e sempre existirão sobreviventes para nos deixar exemplos de fé, força e garra. Nas últimas páginas o Eric nos presenteia com fotos e depoimentos da família, deixando aquela vontade de apertar a Julia bem forte e dizer no seu ouvido: Muito obrigada por compartilhar a sua história!

Ah! E o título IMA significa? Leia e emocione-se com ele também. ;-)
Boa leitura!

12 de setembro de 2018

EU LI: Passageiros do Desconhecido (Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro / org. Keetrin Oliveira e Valter Cardoso)

Oi gente!

Hoje vou deixar minhas impressões da nova antologia publicada pelo Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro: Passageiros do Desconhecido! A antologia foi organizada por Keetrin Oliveira e Valter Cardoso e publicada pela Editora DTX.


Comentando um pouco sobre o Núcleo, é um grupo de discussão literária que se reúne mensalmente para bate-papos e oficinas. Fundado em 2001, já passaram pelo Núcleo mais de cem escritores, muitos deles premiados e publicados, inclusive internacionalmente (atualmente conta com 30 autores ativos). E além das publicações solo dos participantes, o Núcleo já publicou três coletâneas: Probido Ler de Gravata (2010), Estranhas Histórias de Seres Normais (2015) e agora Passageiros do Desconhecido (2018), tema dessa postagem. =)


Passageiros do Desconhecido, partindo da criatividade de dez autores, vai nos falar sobre viagens. Mas não sobre viagens comuns. Sobre viagens misteriosas, lúdicas, psicológicas, fantásticas. Viagens ao desconhecido, ou aos mistérios muito além dele. Antes mesmo da leitura, na sinopse fornecida pela editora, entendemos essa essência: "Em realidades onde a monotonia é crime e o medo é apenas uma palavra sem sentido, nos deparamos com instigantes histórias de personagens fantásticos. Protagonistas que expõem seus temores e desejos, angústias e realizações, vida e morte. Da imensidão do oceano à outras galáxias. De um passado distante à um futuro distópico. Da honradez à canalhice. Das velhas perguntas às novas respostas. Junte-se a nós e embarque para o desconhecido." 

E aí leitor? Não dá uma vontade imensa de encarar?



Eu encarei as viagens e não me arrependi. Reli várias delas com gosto, tentando absorver detalhes que passaram despercebidos na primeira leitura. Tentarei destacar os contos que mais gostei, em algumas linhas:

"O espaço que nos cabe" - (Valter Cardoso)
→ Nos leva ao personagem Mac, um escocês que viaja à Marte, planeta que já possui uma colônia em formação. Me identifico com a escrita do Valter (tem vídeo do livro solo dele), por inserir termos e conceitos corporativos inerentes a sua profissão fora da escrita, nas suas histórias. Como no trecho "A monarquia e a república sucumbiram perante a era corporativa. Siglas como CEO, COO e CIO eram os novos títulos almejados e respeitados". 

"O homem  de uma só face" - (Osvaldo Meza)
→ Ao iniciar a leitura da coletânea, pensei que teria contato só com textos futurísticos e interplanetários. Que nada! Esse conto tem contexto medieval, é ambientado em um antigo mosteiro frequentado por bruxas e rituais. Sou suspeita, amo essa temática, amei a história!

"O homem do ar" - (Francisco Souto Neto)
→ Um conto de memórias, com referências ao Egito e Astronomia. Tem como eu não gostar? Lindo conto!

"O homem decaído" - (Eduardo Brinzini Simões Silveira)
→ Um conto em estilo policial, com muito humor! Em certo trecho lembrou-se os inquéritos de Poirot, personagem da minha musa escritora Agatha Christie. Com um final inesperado e uma grande referência literária no meio do conto, me conquistou.

"A festa da corda" - (Nicole Sigaud)
→ Já conhecia a escrita da autora pelo seu livro solo, que inclusive tem resenha aqui no blog. Gosto muito da maneira como a autora descreve seus personagens. Imagino a pessoa observadora que ela é, para conseguir transcrever tantos detalhes. O seu conto envolve uma cerimônia de pescadores, chamada "Festa da corda". Enquanto conhecemos a rotina das pessoas de uma cidade pesqueira, a emoção da despedida na saída de um barco, somos transportados para décadas no futuro, para encontrar turistas estudando as baleias da região. Eventos sobrenaturais permeiam a história, muito show!

"O homem, a águia e o mar" - (Rubens Faria Gonçalves)
→ Quanta poesia para expressar o comodismo do ser humano! Uma linda reflexão de como o tempo nos presenteia a todo instante e ainda assim, conseguimos "despencar" na vida, nos vitimizando e estagnando nosso aprendizado. 



Achei a capa clean e o livro muito bem revisado, não lembro de perceber erros de grafia. Deixo aqui os autores participantes: Bryan Haveroth, Eduardo Brindizi Simões Silveira, Francisco Souto Neto, Liana Zilber Vivekananda, MC Migliorini, Nicole Sigaud, Osvaldo Meza, Rubens Faria Gonçalves, Valter Cardoso, Vitória Zavattieri.

Boa leitura!

8 de setembro de 2018

EU LI: As Aventuras do Sr. Pickwick (Charles Dickens)

Oi gente!

Dá para rir um bocado com o Sr. Pickwick e seus amigos! No vídeo de hoje minhas impressões sobre a primeira obra de Dickens, publicada em 1836 nos folhetins de Londres.

Clique aqui para assistir

3 de setembro de 2018

EU LI: O homem que amava muito os livros (Allison Hoove Bartlett)

Oi gente!

Tentando me programar para mais vídeos em setembro, espero! Hoje o Desencalha do mês, que não pode faltar nesse canal. Conheçam um pouco da obra "O homem que amava muito os livros", minha leitura de agosto. E também qual será a leitura de setembro.

Clique aqui para assistir.