3 de novembro de 2020

25 de outubro de 2020

Histórias de Fantasmas (Charles Dickens) | Portão Literário

 #victober #victoberbrazil

Dickens é muito lembrado por uma escrita que denuncia os problemas sociais advindos da Revolução Industrial, mas também usou a temática sobrenatural em outras narrativas, como, por exemplo, o conto intitulado “O Sinaleiro”, que faz parte da coletânea de contos "Histórias de Fantasmas".

15 de outubro de 2020

Divã de Escrita 2020 #8 (O Gato Preto, de Edgar Allan Poe) - Um conto autobiográfico? | Portão Literário

Oi gente!

Vamos para mais uma leitura de contos comentada, seguindo com o projeto "lendo contos, para melhor escrever contos". E nada melhor do que aproveitar o mês de Halloween para ler "O Gato Preto" (1843), um dos contos mais famosos de Edgar Allan Poe, escritor norte-americano reconhecido como um dos precursores das narrativas fantásticas de terror.

Muito se comenta que "O Gato Preto" seja um conto autobiográfico, visto as coincidências com a vida boêmia do protagonista, que no decorrer da história, aos poucos vai mergulhando na insanidade. Poe de certa forma, também teve uma vida rodeada de mistérios. Ficou órfão muito cedo e sempre apresentou um comportamento estranho, refletido em sua obra marcada pelo amor, pessimismo e morbidade.

Falando um pouco do conto, o gato preto era o animal doméstico do protagonista narrador, que antes de iniciar suas confissões macabras, se defende justificando ao leitor que amava os animais. Recurso utilizado pelo autor, na minha opinião, para tentar a simpatia do leitor, antes de contar seus terríveis feitos. Poe também escolheu apropriadamente o tipo de animal, já que sua intenção era contar uma história macabra. Afinal, porque seu animal doméstico não poderia ser um cão ou um gatinho branco né?

Acontece que devido ao consumo desregrado do álcool, o protagonista muda seus modos no tratamento do bichano e após essa mudança, Pluto (o gato) se torna um dos personagens mais expressivos, senão outro protagonista da história. Durante o conto, o narrador confessa atitudes horrendas e quando inicia essas confissões, o clima da narrativa pesa de vez. O gato é maltratado ao extremo (pessoas sensíveis aos animais não devem ler) e morre. Porém, outro gato com as mesmas características volta para, desconfia-se, vingar-se do seu carrasco. É outro gato, mas possui marcas das maldades impostas ao Pluto e (para mais uma vez tentar a simpatia do leitor) o narrador o adota e trata com carinho, aquele que agora passará a persegui-lo. Incomodado, o narrador tenta repetir a crueldade de antes, mas é impedido por sua mulher. Dominado pelo ódio devido a interferência da mulher, o narrador a mata e a empareda na adega da casa. O final continua macabro e vou deixar para o leitor descobrir se afinal, o gato foi vingado ou não.

Percebem-se muitos símbolos no conto de Poe, a começar com o gato preto já comentado, incêndio (no dia em que mata o gato a casa pega fogo), subterrâneo (o lugar que escolha para emparedar a mulher), entre outros. Toda essa mistura inserida pelo autor, cria um clima mórbido e obscuro. Embora o narrador confesse o uso do álcool como responsável pelos crimes, a história também oscila com o sobrenatural e fantástico. Em certos momentos do conto, o autor nos deixa dúvidas de se o narrador está sendo manipulado por forças sobrenaturais ou suas ações eram simplesmente efeito dos seus vícios.

"O Gato Preto" passa ao leitor toda uma reflexão sobre a culpa, já que é narrado por um assassino, cuja mente doentia tenta usar argumentos para diminuir sua responsabilidade sobre os acontecimentos. Poe consegue escrever algo através de símbolos que levam o leitor a, intuitivamente, tentar entender os conflitos internos do personagem. É interessante observar como no início o narrador deixa claro que "não espera que os leitores lhe deem crédito", inserindo uma dúvida de que ele mesmo sente-se envergonhado, mas ao mesmo tempo, assombrado com os fatos. 

Na vida real, os vícios de Poe causaram-lhe muitos transtornos, como perder uma vaga na Universidade de Virgínia e causar sua demissão de algumas editoras. Mas esse seu estilo inconstante e boêmio, por outro lado, foi sua principal fonte de inspiração para escrever. E em "O Gato Preto" é mais nítida a impressão da sua intimidade com narrativas macabras. 

Boa leitura!

12 de outubro de 2020

Dicas de livros com protagonistas exploradores | Portão Literário

 Aos poucos o canal vai voltando!

E já que é "Tempo de Exploradores", ainda no improviso, encerro a semana com dicas bacanas de leitura com protagonistas exploradores, de vários gêneros diferentes.
A cereja do bolo foi mostrar o livro que acabou de chegar por aqui:
"O Segredo de Jeanne Baret", escrito pela historiadora britânica Glinys Ridley.
E quem foi a francesa Jeanne Baret?
A primeira mulher reconhecida por circum-navegar o planeta!
E se você acha pouco, saiba que no século XVIII, mais precisamente no ano de 1765, mulheres eram proibidas de tripular navios. Então, Jeanne Baret, uma jovem herbolária camponesa que tinha profundo conhecimento de plantas, se disfarça de homem e integra-se ao corpo de cientistas de uma expedição francesa de circum-navegação.
Baseado em pesquisas, a autora traz aos leitores do século XXI mais uma história que ficou escondida sobre mulheres corajosas que ajudaram a construir a história.







3 de outubro de 2020

FANTASMAGÓRICAS (Coletânea organizada por Ale Dossena e Lu Evans)

Oi gente!

Assim como fiz com a coletânea "A Volta dos Deuses Astronautas", também divulgo hoje as participações de uma nova coletânea que acabamos de fechar: a Fantasmagóricas! Mais uma parceria com a Lu Evans, prontinha para lançamento em e-book pelo selo Nebula. A ideia nos foi presenteada pela escritora Ana Lúcia Merege, uma grande apoiadora de nossos trabalhos. Então decidimos colocá-la em prática na comemoração de um ano da coletânea "Féericas", que foi um sucesso e continua atraindo leitores. A Lu teve a ideia de fazer uma nova capa comemorativa para "Féericas" e decidimos lançar "Fantasmagóricas".


A repercussão foi maravilhosa, afinal qual escritor de contos não se sente tentado a escrever sobre fantasmas, aparições, sobrenatural, ou até mesmo uma fantasia gótica? 


O resultado foi melhor que o esperado! Mesmo com a temática tendendo a clichês, os contos recebidos foram muito bons, depois de uma boa revisão e algumas sugestões, ficaram ainda melhores! Vamos então conhecer todo esse povo talentoso do mundo contista?


Rafael Bertozzo Duarte é Engenheiro Aeronáutico, Administrador, Professor e Empresário. É membro do Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro,  pela qual co-organizou a coletânea Tempo de Dragões, e está em processo de preparação de Tempo de Exploradores. É proprietário da empresa Oficina de Escritores, que oferece cursos e serviços literários. Pelo selo Nebula, participa como contista das coletâneas Feéricas; A Volta dos Deuses Astronautas; Simplesmente Más; Coleção Mundos Fantásticos (vol. Folclore, Gótico, Scifi), e Prefaciador do vol. Distopia; além de autor da introdução de Fantasmagóricas; e Autor de Destaque em Sob as Luzes de Yule. Algumas das suas obras: Sensações, A Explosão de Luz e outros contos, Madame Zuleika e o Aprendiz de Feiticeiro e Sombrio.


Ana Lúcia Merege é mestra em Ciência da Informação e curadora de Manuscritos na Biblioteca Nacional. Pesquisa Mitologia, Contos de Fadas e Literatura Fantástica e escreve ficção para crianças e jovens. Entre seus livros estão os da série de fantasia épica Athelgard, iniciada com O Castelo das Águias e publicada pela Editora Draco. Na mesma editora, organizou as coletâneas  “Excalibur”, “Medieval” (Prêmio Argos 2017), “Magos” (Prêmio Argos 2018) e “Duendes” (Prêmio Le Blanc 2020). É ainda autora do ensaio “Os Contos de Fadas: origens, história e permanência no mundo moderno”, além de vários contos e artigos. Pelo selo Nebula, participa das coletâneas “Feéricas” como autora convidada e “Simplesmente Más” como contista. Lista dos seus livros publicados de forma independente ou tradicional – só livros completos: O Caçador (Franco Editora, 2009), Os Contos de Fadas (Editora Claridade, 2010), O Castelo das Águias (Editora Draco, 2011), O Jogo do Equilíbrio (Editora Draco, 2011 – e-book), Pão e Arte (Editora Escrita Fina, 2012), A Ilha dos Ossos (Editora Draco, 2014), O Tesouro dos Mares Gelados (Editora Draco/Projeto Pegaí, 2014), Anna e a Trilha Secreta (Editora Draco, 2015), A Fonte Âmbar (Editora Draco, 2016), Orlando e o Escudo da Coragem (Editora Draco, 2018), Contos Fantásticos de Avós Extraordinários (Editora Draco/Projeto Pegaí, 2018).


João Carlos Catalão é Professor universitário aposentado. Graduado em Letras, tem Mestrado e Doutorado em Educação. É escritor, poeta e jornalista. Dirige há 25 anos um jornal na cidade de Sud Mennucci-SP, onde reside. Ganhou vários concursos de poesias e participa de três antologias de poesias. Em 2013, foi selecionado no Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus, Concurso Internacional de Poesias, promovido pela UBESC – União Baiana de Escritores, fazendo parte de uma antologia com os melhores poemas do Brasil e do exterior. Participa da Antologia  “Laços de Amizade”, da Editora Perse, ano de 2020, com o conto premiado – “Meu Cão, Meu Amigo”. Seu livro de poemas “João Sem Nada” está incluído  na  Enciclopédia Nacional de Literatura Brasileira, editada pela Editora do Ministério da Educação e Cultural (MEC) e organizada pelos renomados professores e escritores Afrânio Coutinho e J. Galante de Souza. Livros solo: “João Sem Nada” (poesias),  “Almas Perdidas” (contos) e “Linhas do Tempo” (poesias).

Gisele Wommer é formada em Letras, atualmente diretora escolar, tem a literatura por rotina, seja lendo ou se dedicando a contos e romances, a maioria na temática dark. Tem contos publicados em mais de 30 antologias, boa parte de suspense e terror, mas às vezes se aventura em outros gêneros. Faz palestras em escolas visando formar leitores. Já foi patronesse de uma feira do livro. Obras: Ao Cair da Neblina – Romance dramático com toques de suspense. Professores que Contam, volumes I, II e III – Organizadora e idealizadora do projeto para o qual professores escrevem contos em temas variados apropriados para leitura de adolescentes, publicam e também os trabalham em sala de aula.

Matheus Moledo está no último ano do curso de História da PUCPR, é formado em artes dramáticas, participa do clube de escrita criativa Teia de Atena e atualmente estagia na Biblioteca Pública do Paraná. Recentemente participou da coletânea Tempos de Dragões com o conto “O Cavaleiro e o Dragão”. Obras: As Crônicas do Vento - O Entregador; Marinheiro.


Cecília Torres é contista e poeta, professora de português e inglês. É pós-graduada em Literatura e Língua Portuguesa pela Unip;  pós em Docência do ensino superior pela Dom Bosco e Gestão escolar pela Faveni. Possui vários contos e poesias publicados pela editora Andross e pela editora Illuminare, revista Conexão literatura, entre outras.


G. C. Dantas é Formada em biologia e atualmente trabalha como professora de inglês para crianças. Iniciou em 2020 sua empreitada literária ao participar da antologia Sociedade dos Contos Fantásticos pelo selo Voe da editora Flyve. Atualmente, está empenhada em continuar criando seus diversos mundos para em breve mostrar ao público.


Jonas Furtado é formado em Letras pela UFPA com extensão em Linguística. Professor especialista de Língua Portuguesa e Literatura das redes Estadual e Municipal de educação em Ponta de Pedras, PA. Já conquistou prêmios em concursos literários. É acadêmico presidente da recém-fundada Academia Ponta-Pedrense de Letras e membro da Associação de Professores para Estudos e Eventos Literários de Ponta de Pedras – Dalcídio Jurandir. Publicações: Um poeta de Ponta (Cejup, 2007); Um poeta de Ponta (Cultural Brasil, 2015); O poeta (Cpoema, 2010); Pedações inteiros de poesia (Giostri, 2015); Memórias de mim (Giostri, 2016); As maravilhas do mundo da Álice (Folheando, 2020).



Julia de Sousa Dias é estudante de psicologia. Na literatura, seus gêneros preferidos são terror, fantasia e ficção científica. É poetisa e contista com trabalhos publicados em diversas antologias. É organizadora de Paranóia, sua primeira coletânea através do Selo Literário Sânge. É revisora de Dramas Robóticos & Outros Contos Futuristas (contos de scifi) da autora Lu Evans. Pelo selo Nebula, é Autora de Destaque da coletânea Sob as Luzes de Yule com dois contos; e contista em A Volta dos Deuses Astronautas e Simplesmente Más.


Liana Zilber Vivekananda é formada em Arte, Arquitetura e Filosofia com Especialização em Filosofia Clínica. É integrante do Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro, Curitiba. Um Dia sem Calendário é seu primeiro livro solo de contos. Além dele, participa de várias coletâneas e tem especial interesse na literatura fantástica. Pelo selo Nebula, participou das seguintes coletâneas: Feéricas; Sob as Luzes de Yule; Simplesmente Más; Coleção Mundos Fantásticos (volumes Fantasia, Gótico, Scifi e Distopia), e é Autora de Destaque em A Volta dos Deuses Astronautas.


Lorena Madlun é advogada e revisora de livros acadêmicos, romances, ficções, bem como artigos científicos, teses e revistas. Em 1989 teve suas poesias publicadas nas antologias Poetas Brasileiros de Hoje 1989 e Nova Poesia Brasileira 89, ambos pela Shogun Arte. Em 2020 participou da coletânea Contos de Mistério e Suspense, do Projeto Apparere, Editora Perse e da Antologia Cartas aos 4 Cantos, pela SF Editorial.


Nancy Scarlett-Hayalla  é contista, principalmente do gênero fantástico e contadora de histórias. Teve seus primeiros contos publicados nas antologias Tardes Quentes de Um Inverno a Dois, Atmosfera Fantasma, Signo da Morte, Tesouros Perdidos, Colmeia de Sangue, Lendas Mexicanas, Odisseia dos Dragões e entre outros.



Ronilson Lopes é formado em Filosofia e cursa Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Rondônia – UNIR. Obras: Contos do meu sertão, Filosofia e vida: diálogos entre amigos (em parceria com o escritor João Uilson). 



Rozz Messias é professora, pedagoga, contista, poeta e antologista. Participou dos Planos de Aula da Revista Nova Escola e foi premiada duas vezes no Concurso Literário de Colombo. Seu projeto Cordel Extraordinário faz parte do ebook Banco de Boas Práticas do Conectando Saberes/Fundação Leman. Ocupa a cadeira 524 da ACILBRAS Academia de Artes, Ciências e Letras do Brasil; e ocupa a cadeira 99 na AIL-Academia Independente de Letras. É autora dos livros solos: Filha da tempestade, Entrelaçados, Ao seu encontro,  Encontro com a morte, Papai tem monstro, Contos de Suspense e de Morte, Lamentos Noctivagos. É contista/poeta em mais de 40 antologias, além de organizar coletâneas pela Dark Books. Pelo Selo Nebula, participa como contista em Feéricas; Fantasmagóricas;  e coleção Mundos Fantásticos - vols. Fantasia, Gótico, Scifi e Distopia, além de ser Autora de Destaque do vol. Folclore.



Sandro C. Rocha estudou música na universidade Villa Lobos. Graduou-se em Sistemas para Internet pela FATEC na cidade de Carapicuíba e atua na área de tecnologia da informação. Como autor, tem várias participações em antologias. Seu poema "A bailarina do Sertão" ficou entre os 20 melhores do Brasil com menção honrosa pelo CNNE (Concurso nacional de Novos Escritores). Recentemente lançou um livro infantil intitulado "O ursinho de Papelão”. Pelo selo Nebula, participa da Coleção Mundos Fantásticos: Fantasia, Folclore, Gótico, Distopia, e é Autor de Destaque do volume Scifi.



Roberto Schima é escritor e ilustrador. Participa de várias antologias em diferentes gêneros como contista. Foi agraciado com o "Prêmio Jerônymo Monteiro", promovido pela "Isaac Asimov Magazine" (Ed. Record), e vencedor do concurso “Os Viajantes do Tempo” (Conexão Literatura). Dentre suas obras solo: "Limbographia" (contos), "O Olhar de Hirosaki" (romance), "Os Fantasmas de Vênus" (noveleta), "Sob as Folhas do Ocaso" (contos). 



Maria Talita Bonini é médica dermatologista, trabalha na saúde pública. Teve, recentemente, dois contos publicados, “Amor de pai”, na antologia Crimes em Agatha, e “Festa de Lázaro”, na coletânea Contos de Mistério e Suspense - Projeto Apparere. 


Thalya Maura está prestes a concluir seu curso de Direito pelo Centro Universitário Tiradentes e cursou psicologia na mesma instituição. Iniciou-se como escritora com a publicação de Bom dia, Molly! Seu conto Anjo do bem e Anjo do Mal foi publicado na Revista Retro Mysterio . Também participa do livro Os melhores contos de terror de 2019 pela Editora Inovar, além de ter a poesia Limbo em uma coletânea da Editora Inovar.


Gabriel H. Silva é estudante de Enfermagem Técnica. Na literatura, dedica-se ao gênero de terror. Já escreveu roteiros para peças teatrais escolares, como também já atuou.

 

Natasha Roxane é formada em Ciências Biológicas com especialização em Biociências Forenses. Estuda e realiza trabalhos como atriz e artista de voz, trabalhando ainda como designer gráfica e revisora freelance. Gosta de escrever prosa desde criança, e explora também outras formas de escrita, como poema e roteiro. Um Refúgio Inalcançável é sua primeira publicação literária.



Pablo Barbosa de Oliveira é formado em Museologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Além de atuar como museólogo, é colunista e escritor. Recentemente, lançou seu primeiro livro solo: Gaúchas Negras, ficção fantástica tendo como pano de fundo a Guerra dos Farrapos.



Ale Dossena tem pós-graduação em Administração de Empresas e possui Licenciatura em Letras. Além de escritora, é leitora crítica, revisora, antologista, produtora de conteúdo e apresentadora do canal e do blog Portão Literário. Dentre os livros que revisou, está Dragão Noel, escrito e ilustrado por Lu Evans e sua filha Dandara Evans. Publicou uma coletânea de poesias em 2012, Sonhando e Poetizando. E quatro livros infantis entre 2013 e 2019: O Sapo Tonico e Sua Descoberta; O Diário de Lirityl; A Montanha dos Brinquedos Perdidos; Donatelo, o Dragão Amarelo. É membro do Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro, Curitiba pelo qual co-organizou a coletânea Tempo de Dragões e atualmente está em processo de co-organização de Tempo de Exploradores. Pelo selo Nebula, atuou como organizadora das coletâneas Feéricas, Sob as Luzes de Yule, A Volta dos Deuses Astronautas e Fantasmagóricas; contista em Simplesmente Más e prefaciadora do vol. 2 Folclore da Coleção Mundos Fantásticos. Desde 2012 participa como contista em várias antologias, acumulando prêmios, citações e honras, como a Medalha Luiz Vaz de Camões pela Editora Mágico de Oz em 2016 e Troféu da Casa de Jorge Amado pelo Núcleo de Artes e Letras de Buenos Aires em 2015.

Lu Evans é formada em Jornalismo. Começou sua carreira artística na dança e no teatro. Na literatura, dedica-se ao gênero fantástico. Tem contos em revistas e antologias diversas. É membro do Núcleo de Literatura e Cinema André Carneiro (Curitiba) e gerencia o selo literário Nebula, que publica livros clássicos mundiais. Pelo mesmo selo, lança antologias contemporâneas de literatura fantástica nacional nas quais atua como organizadora, revisora e contista. São elas: Feéricas; Sob as Luzes de Yule; A Volta dos Deuses Astronautas; Simplesmente Más; Fantasmagóricas; Coleção Mundos Fantásticos (vols. Fantasia, Folclore, Gótico, Scifi, Distopia). Obras solo e em coautoria: Somniis (distopia em coautoria com Graci Rocha); Hili (sci-fi romântica), Teatro (com 20 peças para crianças); Dragão Noel (aventura natalina infanto-juvenil em coautoria com sua filha Dandara Evans); e série juvenil Zylgor: A Princesa das Águas, O Príncipe Flamejante, A Princesa dos Ventos, O Senhor dos Abismos. Ainda esse ano, lançará seu primeiro livro solo de contos de scifi: Dramas Robóticos & Outros Contos Futuristas.

E é isso gente!

Não é só sobre escrever, sobre publicar, sobre conquistar leitores. Organizar uma coletânea é, além de todas essas coisas, praticar, motivar, pesquisar, conversar, conhecer, unir pessoas pela literatura! 

Eu e Lu Evans aproveitamos a postagem para agradecer aos autores participantes e desejar a todos muito sucesso em suas conquistas literárias.

Beijos!