23 de janeiro de 2020

EU LI: Noite do Oráculo (Paul Auster)

Oi gente!

Quando ganhei de presente da Eli Trevellin o “Noite do Oráculo”, há mais de dois anos, não me empolguei tanto para a leitura, apesar de ouvir que ele é perfeito para quem gosta de escrever. Agora, chegou a vontade e após a leitura a confirmação: Realmente, é um livro que todo escritor deveria ler.

Dizem os críticos que Paul Auster tem talento para histórias que parecem um labirinto, assim como Borges (que vergonhosamente ainda não li). Em “Noite do Oráculo” ele aborda a questão da identidade, porém de forma extremamente criativa, entrelaçando várias histórias e deixando nós, leitores, decidirmos em qual delas (ou em todas), mergulhamos.

O livro de Auster tem três histórias, uma se encaixando na outra, sem falar nos paralelos que fazemos com a vida do autor, enquanto corre a leitura. Começamos conhecendo o personagem Sidney Orr, que é escritor, porém se recupera de uma doença que o deixou inativo por muito tempo. Ao animar-se em voltar à ativa, entra em uma estranha papelaria no Brooklyn e compra um caderninho de anotações, com capa azul e importado de Portugal. E de forma surreal, ao começar a escrever no caderno, sua criatividade aflora novamente e as anotações tomam um rumo inesperado, que surpreendentemente se misturam com a vida do autor.

Agora entendo porque o livro divide opiniões. “Noite do Oráculo” exige do leitor redobrada concentração e a mente aberta para descobrir suas camadas e perder-se propositalmente e positivamente no cruzamento das histórias.

Só para deixar um gostinho a mais, a história que Sidney começa a escrever no caderninho azul é sobre um editor chamado Bowen, que após receber o original de um romance para analisar, salva-se milagrosamente de um acidente na rua e decide largar sua vida e fugir para longe. Pega o primeiro avião que encontra, rumo a Kansas e, chegando lá, descobre que sua mulher, ao saber do desaparecimento e por medidas de segurança, cancela seus cartões de crédito. Sem dinheiro, pede apoio a um recente conhecido, que é ex-combatente da Segunda Guerra e mantém um espaço subterrâneo escondido, onde guarda segredos. Nesse meio tempo, começa a ler o manuscrito do romance, que conta sobre um soldado que fica cego durante a Primeira Guerra Mundial e ganha poder de ver o futuro. Ufa!

Então, basicamente estas são as três histórias que se misturam. Mas não espere um desfecho normal para elas (acho que é isso que irrita muitos leitores), porque o que você vai encontrar nelas é algo bem diferente: uma complexa alegoria sobre o poder das palavras!

Será que os escritores têm o poder da premonição? São capazes de escrever o futuro ou determinar situações reais?

Personagens não faltam e cada um deles vai permear um pouco do desfecho do livro, seja o chinês MR Chang, que é o dono da papelaria, ou John Trause, grande amigo de Sidney e sua esposa, que também guarda segredos do passado, ou Sylvia Maxwell, neta da autora do manuscrito que é entregue à Bowen. É por isso que, se o leitor tentar ler as histórias como independentes e não se render ao cruzamento delas, não vai mesmo achar graça no livro e não vai captar o que define o rumo da história. Eu recomendo o desafio. Se você não gostar, abandona e tá tudo bem.

Boa leitura!

19 de janeiro de 2020

Morte na Praia (Agatha Christie) | Portão Literário

Vamos agitar este domingão de janeiro com uma leitura ambientada na praia, com pessoas hospedadas em um luxuoso hotel localizado em uma ilha repleta de paz e relaxamento? Só que não! Com Agatha Christie dificilmente a história é serena né? Mais uma leitura para o projeto Agatha!

Clique para assistir

13 de janeiro de 2020

O Fantasma da Ópera (Gaston Leroux) | Portão Literário

Uma experiência de leitura um tanto controversa para mim, com pontos positivos e negativos. Hoje deixo minhas impressões sobre "O Fantasma da Ópera", nesta nova edição linda da Zahar. Mais uma leitura com os amigos booktubers!

Clique para assistir

5 de janeiro de 2020

5 livros sobre mulheres escritos por mulheres | Portão Literário

Levanta a mão quem gosta de biografias romanceadas? o/
Mesmo que contenham muita informação ficcional? o/
Eu não ligo, adoro! Gosto de analisar como os escritores e escritoras imaginaram a vida do personagem na época em que viveram. Além de conter informações sobre o contexto histórico, estes cinco livros mostram as duras imposições sociais que mulheres corajosas enfrentaram ao longo da história.

Clique para assistir

30 de dezembro de 2019

Divã de Escrita #10 - Retrospectiva 2019 (Conquistas, desabafos e uma despedida) | Portão Literário

Senta que o vídeo é encorpado! Para não dizer longo...kkk.
Mas quem disse que 2019 foi leve né? 🤷‍♀️
É hora de relembrar o ano que passou e agradecer pelas conquistas, mas principalmente pelas dificuldades, porque são elas que nos trazem as ótimas ideias, proveitosas reflexões e necessárias decisões.