18 de janeiro de 2019

EU LI: O último judeu | Portão Literário

E 2019 já começa do jeitinho que eu queria, sem muitos livros programados e sem obrigação de cumprir TBR. Foi assim com "O último judeu", a leitura que chegou de repente mas para ficar! Confiram minhas impressões dessa obra de Noah Gordon, o autor especialista em romances históricos focados em medicina medieval.

Clique para assistir

12 de janeiro de 2019

O PODER DAS HISTÓRIAS - PARTE 3 | Portão Literário

Demorou um pouquinho, mas chegou! No vídeo de hoje, a terceira parte da série "O Poder das Histórias", baseada no curso que ministrei na faculdade em 2017 e com a participação especial da cantora Dany Nascimento!

Clique para assistir

9 de janeiro de 2019

EU LI: O Rei de Amarelo (Robert W. Chambers)

Oi gente!

Vamos então comentar sobre o título sorteado para a leitura de janeiro do #projetodesencalha. Se você está chegando agora e não sabe o que é isso, dá uma olhada nesse vídeo aqui.

O livro da vez é "O Rei de Amarelo", que fez muito sucesso e foi republicado anos atrás devido a um seriado (True Detective) que o citava, ou fazia referência ao livro, não tenho certeza pois não assisti. No vídeo e no sorteio eu comentei que sempre tive um certo "medinho" de ler esse livro, por alguns comentários antigos que ouvi. Gosto de literatura de terror, então não sei explicar o motivo do medo. Que aliás, posso contar agora para vocês, era infundado.


Já começa que aprendi algo novo. Vocês sabem que não faço muito o tipo de segmentar gêneros de literatura (aquelas subdivisões que dão para cada gênero), por isso acabo sempre mencionando o gênero principal e ponto. Mas com "O Rei de Amarelo" aprendi o que é terror cósmico, olha só!

Então para quem não sabe, cosmicismo ou terror cósmico é uma filosofia literária utilizada pelo escritor H. P. Lovecraft, que inclusive é um dos escritores citados em inspirar-se na obra "O Rei de Amarelo" (e que posteriormente influenciou Stephen King e Neil Gaiman -  e também descobri que os termos Hastur e Carcosa, citados na série Darkover de Marion Zimmer Bradley vieram daí! \o/). Basicamente, o terror cósmico parte do fato de que estamos completamente sozinhos no mundo, sem Deus ou o Universo para nos dar um sentido de existir. O que acarreta em uma existência totalmente nula e insignificante, onde apenas se faz presente a efemeridade. Em linhas gerais, somos apenas uma "espécie" que será extinta, dando lugar à outra. Tudo o mais é fantasia da nossa cabeça. 


Embora os contos (sim, é um livro de contos), principalmente os quatro primeiros, sejam ligados pela menção a um livro ficcional chamado "O Rei de Amarelo" e que basicamente destrói quem o lê, são histórias independentes. Porém, não encontrei uma leitura que me assustasse, e sim histórias que no final deixam aquele ar de suspense e uma rebeldia de pensamento do tipo: - Humm, quem é louco nessa história afinal? Por isso, o livro pode até ser considerado como terror cósmico, mas para mim funcionou mais como terror psicológico (rs). Alerto a quem procura a presença de terror cósmico, porque ou entendi errado o significado, ou não vai encontrar no livro.

Achei a leitura pouco fluída, por ser escrita no final do século XIX (1895) e isso dificultou um pouco. Além do mais, os demais contos do livro, depois de transmitirem uma leve transição entre a ambientação tensa dos primeiros para algo mais realista, terminam em contos românticos, que apresentam a sociedade e costumes da época. Oi? Fui pesquisar e pelo que descobri, o motivo foi tornar o livro mais vendável, já que na época literatura de terror não era comercial (se alguém duvida só pesquisar a vida de Edgar Allan Poe...hehehe).

Não posso dizer que amei a obra, talvez até pelo fato de que literatura de terror não é um gênero que mais leio ou porque talvez não tenha compreendido sua essência. Mas se Chambers influenciou toda uma geração de escritores de terror, tá valendo e muito! E além de gostar da leitura dos quatro primeiros contos e a caprichada diagramação feita pela Editora Intrínseca. O livro traz capa texturizada, divisões dos contos com folhas em preto e muitas notas de rodapé ao final dos contos.

Mas se você gostou e tem interesse em mais detalhes, dá uma lida nessa entrevista que a editora fez com o Carlos Orsi, escritor e jornalista que fez a revisão comentada da edição:
http://www.intrinseca.com.br/blog/2014/05/carlos-orsi-comenta-o-rei-de-amarelo/

Boa leitura!