18 de setembro de 2015

Eu li #25 - Darkover #3 - A Dama do Falcão

Oi gente!

Enfim, semana de provas chegou ao fim! Hoje tenho a última (e a mais difícil), mas o final de semana está chegando para um merecido descanso. E já que a semana foi de desafios, resolvi terminá-la aqui no blog com mais uma super postagem da série Darkover. Amo! Assim como ler os livros, resenhá-los é para mim um momento muito prazeroso. Adoro lembrar do enredo, dos detalhes, dos personagens, comparando com o próximo livro cuja leitura geralmente está em andamento. E o que vou contar hoje, o terceiro da série em ordem cronológica é, segundo os fãs, um dos melhores! Eu particularmente amei "A Dama do Falcão" (título em inglês "Hawkmistress!").

Assim como "A Rainha da Tempestade", esse livro não tem nada de ficção científica. Se passa no planeta Darkover, mas em seu mundo medieval, no fim da Era do Caos. Eu classificaria como uma fantasia romântica, uma história de aventuras, mas principalmente a história de uma mulher que luta para conquistar sua independência!

Algumas capas de "A Dama do Falcão"

Estou falando da protagonista, Romilly McAran, que é filha do mestre falcoeiro do Ninho dos Falcões, perto das frias montanhas de Darkover. Romilly tem laran (aquele poder dos darkovanos que falei nas outras resenhas) e o seu em partiular permite a ela a comunicação com os animais. Seu dom é tão poderoso, ela se liga aos animais de tal forma, que seus sentimentos se confundem aos deles. E é assim que ela passa os dias fazendo o que mais gosta, treinando os falcões e cavalos do pai, até se tornar uma moça forte e independente. E não faz jus ao nome do livro, porque a última coisa que ela quer para sua vida é se tornar uma dama! O que era comum nos desejos das moças era pavoroso para ela! Se trancar em casa, costurar, parir filhos com o único intuito de reprodução, definitivamente era tudo que ela não queria para seu futuro.

Por esse motivo, quando completou quinze anos e seu pai a prometeu em casamento, com um senhor chamado Dom Garris e do qual ela não gostava, ela protestou. E após as ameaças do pai de que tiraria dela seu falcão de estimação, Preciosa, com quem ela já tinha estabelecido uma ligação de alma, ela deciciu sair de casa, romper com a família e renunciar sua herança. Não que ela não desejasse se casar, mas queria ter o poder da escolha. E então Romilly ganhou o mundo, mas precisou sair disfarçada de menino, ou a descobririam e lhe mandariam de volta para o Ninho dos Falcões. Nos primeiros dias ela surtou, se refugiou em uma floresta e entregou-se aos sentimentos do mundo animal. Depois encontrou a comitiva de Carolin e se juntou ao grupo, até que Carolin descobre seu segredo mas a ajuda, lhe entregando até mesmo atribuições na comitiva.
O surto de Romilly McAran retratado pelo sueco Hakan Ackegård.
Na comitiva ela também conhece Alderic, um amigos dos irmãos dela, que desperta nela uma atração. Se aproxima de Orain, com quem mantém uma amizade sincera. Conhece Jandria, que a acolhe em um momento crucial. Ah, e não posso esquecer de comentar sobre o Caryl, um menino em conflito que também torna-se amigo de Romilly.

"A Dama do Falcão" também é a história de Rakhal e Carolin, dois reis. O primeiro usurpou o reino e exilou o outro, que está empenhado em retomá-lo. E Romilly, onde entra nisso? Desejando ser ela mesma e buscar seus ideais, com seu talento acaba ganhando um papel fundamental na guerra que está para vir. Precisando se adaptar com o choque de realidade em suas rotinas fora de casa, ela também amadurece servindo nos conflitos políticos e ajudando o rei a retomar seu poder. Muita coisa acontece nesta sua jornada pelo mundo.

Destaque ampliado de uma das capas do livro.

Eu achei o livro perfeito! Tem lances de magia, personagens marcantes e trechos surpreendentes. Um ambiente épico e medieval, mas muito realista! Eu, como leitora mulher, me identifiquei demais com a luta de Romilly para se afirmar como pessoa e não apenas como mulher dominada e submissa aos padrões sociais. Ela entregou-se ao destino, desapegou-se de tudo para encontrar seu lugar no mundo e o verdadeiro amor. E descobriu que seu dom era muito maior do que imaginava, poderoso e suficiente para levá-la a grandes responsabilidades e consequentemente, suas recompensas.

Se você gostou, os livros da série Darkover que antecedem a este, estão resenhados aqui. Lembrando que as histórias são independentes e não precisam ser lidas na sequência. 

Beijos!

1 comentários:

Aline Fonseca disse...

Então, achei e cheguei junto!
Bem legal e como sempre gravuras que arrasam!
Ale, em falar em suas resenhas, nem sei se foi por aqui que eu vi, mas acho que no Facebook, vc falando sobre outro livro da Jojo Meyes(?) sem ser Cartas de Amor que você amou? Que leu recentemente... lembra do título? Na Bienal saí comprando alguns títulos dela e daquele autor de Um Dia, porque amei o livro e queria ver se por sorte havia pego o título que vc gostou, pois não lembrava qual... Bom, vou dar uma busca aqui no seu blog pra ver se foi aqui que vi!
Beijossssssssssssssssssssss