5 de maio de 2016

Eu li #65 - Emma

Oi gente!

Vamos para mais uma longa conversa sobre Jane Austen. Adoro! E o livro comentado de hoje é Emma, nossa última leitura do grupo "Heroínas de Jane Austen". O que falar de Emma? Muito! Mas para mim é impossível falar de Emma sem falar de Jane Austen. Porque eu acho que entendo melhor os personagens quando conheço quem os escreveu. De qualquer forma, por mais fãs que sejamos da autora, acho difícil alguém surpreender-se de maneira positiva com a obra Emma.

Para começar não falta na história os traços principais nas obras de Austen: sarcasmo e ironia! Nesse caso em particular, comparando com as obras anteriores, Emma é a primeira protagonista de Austen que não tem problemas financeiros, e ela deixa claro que esse é o motivo de não querer casar-se. O que já era uma afronta à sociedade inglesa da época, então defeitos à parte, ao menos coragem ela tinha...rs. E o resto? Aí complica!


No início parece que a intenção de Emma era fazer os outros felizes, então ela decide que não quer casar mas que é a pessoa perfeita para arranjar casamento para os outros. Só que não. Imagine que a própria Jane Austen, que escreveu a personagem, certa vez disse aos seus leitores que "Emma é o tipo de heroína que nem ela própria iria gostar muito". Isso resume tudo. Ela se achava a última bolacha do pacote e por isso, achava que estava acima dos sentimentos alheios e poderia decidir pela vida dos outros. É aí que ela desgosta o leitor. E confesso que dá mesmo muito raiva da Emma em alguns momentos. Para mim ficou nítido que sua vida é resumida em futilidades e ela se utiliza da desculpa de ser casamenteira para manipular as pessoas, apenas em função de alimentar seu próprio ego. 


Mas o problema não pára em Emma. A obra é composta de outros personagens irritantes. O pai de Emma por exemplo, é volúvel e pessimista, chega a ser hilário. E o tal do Frank? Até disfarça que é charmoso e conquistador, mas eu não gostei dele. Para mim só se salvou o Mr. Knightley que posso confessar? Ficou ali no páreo com o Mr. Darcy...hahaha! Ué, eu gostei dos modos dele com Emma e ponto. Acho até que a evolução dela como pesonagem dependeu muito dele. Inclusive posso falar porque não é spoiler, achei que Emma amadurece muito no decorrer da história, aliás eu acho que é o objetivo do livro, e também me salta aos olhos a genialidade de Austen em descrever essa transição! Só por isso não posso dizer que não gostei do livro. Não gostei de Emma (argh!) mas o livro... =)

Uma das versões cinematográficas de Emma, protagonizada por Gwyneth Paltrow
Emma teve várias adaptações para o cinema e televisão. A versão que eu vi foi a de 1996, com a Gwyneth Paltrow, que eu amei! Aliás, recomendo para quem não teve coragem de ler (o livro tem 605 páginas nessa versão que li) ou não teve paciência para terminar. Apesar da característica peculiar de Austen, não deixa de ser um romance de época muito bem detalhado (seja no livro ou na tela). Também tem resenha de Emma na Casinha de Livro da Pati Dias e no canal Livros e Scrap da Leila Cardoso. Sugiro a visita para saberem suas opiniões!

Beijos!

2 comentários:

Patricia Dias disse...

O Mr Knightley realmente é o melhor da história. O único que colocava Emma no seu devido lugar. O pai dela de tão xarope ficava até engraçado mesmo.
Agora quero ver o filme.
Bjs,

Lolô Artesanato disse...

Ai amiga, vc descreveu super bem "a ultima bolacha do pacote" hahahah
Trauma desse livro!
bjins