24 de dezembro de 2015

Eu li #39 - Cartas do Papai Noel

Oieeee!!! Feliz Natal!!!! HO HO HO!

E é nesse clima que hoje vou falar de um dos livros sonho de consumo em 2015. Estava procurando há algum tempo e a cada pesquisa: esgotado! indisponível! sem estoque! Até que algumas semanas atrás, encontrei em uma livraria aqui de Curitiba, mas só tinha um único exemplar em uma loja na região metropolitana. Aff! Era longe e um empenho ir até lá, comentei por cima com o marido e ficou por isso mesmo. E não é que ele me fez a maior surpresa do mundo, quando um belo dia cheguei do trabalho e fui presenteada por ele, que se empenhou em buscá-lo escondidinho para mim? Eita coisa boa! Foi um dos melhores presentes do ano! "Cartas do Papai Noel" de J. R. R. Tolkien!



Não é novidade meu amor por Tolkien e suas obras, também não é novidade que ando me "enrolando" para resenhá-las aqui no blog, porque sou tão fã a ponto de querer fazer em grande estilo. Então logo teremos uma sessão especial sobre o tema. Por enquanto me resta contar que, aquele que foi um grande professor de Oxford e se tornou o nosso mestre da literatura fantástica, escreveu cartas a seus filhos como se fosse o Papai Noel, por mais de 20 anos (1920 a 1943)! Com direito a selos do Pólo Norte e desenhos do próprio autor!


"Cartas do Papai Noel" é essa coletânea de cartas que Tolkien escreveu aos seus filhos John, Michael, Christopher e Priscilla, contando histórias magníficas sobre o ajudando do Papai Noel (Urso Polar), elfos, gnomos e até trasgos. A compilação das cartas foi feita por Baillie Tolkien, antiga secretária dele e segunda esposa de um dos filhos. A edição é da Martins Fontes (responsável pela publicação das obras de Tolkien no Brasil), tem 168 páginas muito bem diagramadas. Várias das cartas e ilustrações que as acompanhavam foram digitalizadas e adicionadas ao livro. Tolkien era demais gente! Quando ele escrevia como Papai Noel, tremia a caligrafia para parecer que era de um velhinho, quando escrevia como o Urso Polar, escrevia com caligrafia grossa para imitar um urso de patas grandes, e o melhor, quando ele se passa por um elfo escrevendo, percebemos as primeiras noções da tão famosa escrita élfica que ele criou para o universo da Terra Média. =)


Reparamos ao ler que ele respondia muitas cartas das crianças recebidas ao longo do ano, em alguns anos ele escrevia mais, outros menos, mas sempre agradecendo a elas por lembrar dele. E quando por algum motivo ele talvez estivesse atrasado, escrevia contando que o seu ajudante, o Urso Polar atrapalhado, aprontou alguma. Ou dormiu demais, ou encharcou os embrulhos, ou ficou preso na neve e pegou um belo resfriado. Conforme os filhos cresciam ele se dirigia aos menores, sem esquecer dos outros, sempre enviando um abraço ou um carinho.


As narrativas não são riquíssimas em construção, o que admiro muito em Tolkien e me motiva demais. Ele começou escrevendo histórias infantis, tudo muito íntimo e sentimental (como Sr. Bliss que também não resenhei ainda). Ou seja, mesmo com escrita simples, ele consegue enriquecer nosso imaginário como leitor. E então a leitura flui muito rapidamente (eu li em uma hora o livro!), até porque as histórias são tão envolventes que a gente termina uma e pensa: "vou ler só mais uma". Até que quando se dá conta, acaba o livro e ainda nos lamentamos! (rs)


Bom, eu sou muito suspeita para falar de Tolkien! Se você duvida, menciono ele em várias postagens (Dia Nacional do Livro, Darkover, Bienal de SP, Como nos tornamos leitores) e adquirir suas obras é uma paixão. Deixo de comprar um sapato mas não deixo de comprar Tolkien! Hahaha! É que normalmente os preços não são muito acessíveis, mas para mim valem cada centavo.

E assim, em clima natalino e tolkiniano, que desejo a todos que me acompanham um Feliz Natal!

Beijos!

1 comentários:

gildett marillac disse...

Ale, depois de um mês correndo com preparativos natalinos, volto ao blog, e ganho um presente de natal, amei sua resenha, me senti emocionada, de ver que há muito tempo tinha alguém que também amava o natal... Fiquei louca pelo livro, agora sou eu quem vai caça-lo por aí. Muito obrigada... Desejo desde já um 2016 de paz, saúde e muito amor para você e os seus. Obrigada por 2015. Beijos