4 de agosto de 2015

Eu li #16 - Darkover #1 - A chegada em Darkover

Oi gente!

Então eis que cheguei disposta a iniciar uma nova série de postagens para complementar a já existente "EU LI", onde escrevo algumas resenhas e opiniões sobre os livros que leio. Para quem me acompanha nas leituras, não é novidade que sou fã dos livros da Marion Zimmer Bradley (autora do conhecido "As Brumas de Avalon") e principalmente, da sua série de livros entitulada DARKOVER. E é dela que vou falar um pouquinho hoje.

A coleção completa possui 47 livros (sim!! sendo 12 antologias), mas eu considerei como meta os 20 livros mais citados como componentes da saga, sendo que três ainda não tem tradução para o português, e ao contrário do que muitos acham, não é puramente ficção científica não! Exceto por esse primeiro livro focado nisso, a série toda é uma mistura de ficção científica com fantasia medieval. Bom, aí fica fácil entender porque gosto tanto né? Outra característica é que a série não foi escrita em ordem cronológica. Isso faz com que a gente perceba a evolução da escritora, quando se opta como eu, a ler na ordem cronológica da história e não na ordem em que os livros foram escritos. 



"A chegada em Darkover" é o primeiro livro da série, mas quando foi escrito pela Marion em 1972, já existiam oito livros sobre a história. Foi um pedido dos fãs que gostariam de saber como tudo havia começado. Essa característica eu acho legal, porque os livros podem ser lidos em qualquer ordem, embora cada história tenha ligação com outra, são independentes. Você não depende de continuações a não ser que vire fã da série, mas aí com certeza vai preferir ler em ordem cronológica, como eu. É comum um livro contar uma história e no próximo a história já está acontecendo séculos depois da anterior. Parece confuso mas eu acho o máximo! :-)

Na época em que se passa a história nosso planeta Terra já tinha tecnologia para explorar outros planetas. Naves com equipes especializadas saíam pelo universo colonizando planetas com características similares ao nosso. Porém, a saga começa quando uma destas nave colonizadora cai acidentalmente em um planeta desconhecido, que apesar da gravidade ser menor do que a Terra e o oxigênio mais leve, possibilitava aos humanos a sobrevivência. Uma das características mais marcantes do planeta: o sol vermelho!

Fonte: Comingsoon.net

Depois dos diagnóticos dos danos na nave, os sobreviventes chegaram a conclusão que estavam abandonados à própria sorte, e sua sobrevivência dependia da capacidade de colonização de um mundo novo. Iniciaram análises das características do planeta e tentaram organizar equipes dependendo das funções e conhecimentos de cada um, não sem antes passarem por várias discussões, obviamente compreendidas em uma situação como aquela. Embora similar a Terra em alguns aspectos, em outros era totalmente diferente e algumas estranhezas deixam o livro com ares de suspense em alguns capítulos. Por exemplo, havia algo no ar que deixava as pessoas fora de si, fazendo com que em algumas ocasiões, algumas atitudes bizarras, críticas, violentas e até safadas (rs), aconteçam.

Fonte: Comingsoon.net

O fato é que essas pessoas, obrigadas a permanecer em um planeta onde uma das características geológicas era de que não havia metal, a única opção era se adaptar com o que ele oferecia. Por isso eles acabam desenvolvendo ao longo dos séculos uma sociedade semelhante ao período medieval da nossa história. Mas isso é detalhe para outros livros! 

Em "A chegada em Darkover", você vai conhecer, além das dificuldades de adaptação, particularidades do planeta (como as estranhezas!) e da equipe de tripulantes, principalmente de Rafael MacAran, Camilla Del Rey e o comandante Leichester, destaques junto com alguns outros personagens que mais tarde, dentro da saga Darkover, irão tornar-se personagens lendários, que chegam a ser vistos como semi-deuses. Eles aparecem representados em uma versão das capas do livro, mas essa eu não consegui. Aliás, uma particularidade dos livros da saga que pode desanimar um pouco aos que gostaram. É extremamente difícil encontrar alguns, o meu por exemplo, da primeira foto da postagem, só encontrei em sebo.


Então, para finalizar o que você encontra na saga. O fato é que essas pessoas, obrigadas a permanecer em um planeta onde uma das características geológicas era de que não havia metal, a única opção era se adaptar com o que ele oferecia. Por isso eles acabam desenvolvendo ao longo dos séculos uma sociedade semelhante ao período medieval da nossa história. Outro ponto interessante que aparece na série todo é que em Darkover, algumas pessoas desenvolvem habilidades psíquicas, uma espécie de telepatia, que em sua cultura é chamada de "laran". Essa habilidade se torna a base para todas as evoluções tecnológicas, políticas e sociais do planeta. Mas estes são detalhes para outros livros e consequentemente, para outras resenhas!

Fonte: Wikipédia
Que tal sabermos um pouco mais sobre Darkover? Uma das peculiaridades que me encanta, é que o planeta imaginado por Marion, tem quatro luas. E eu, como fã incondicional da nossa Lua, claro que amo essa característica! É isso mesmo! Darkover tem quatro luas: Liriel, Kyrridis, Irdriel e Mormallor. Todas elas são distintas por cor e tamanho. A maior é Liriel e sua tonalidade é violeta. Depois vem Kyrridis que é azul brilhante. Idriel possui um tamanho médio e tem tonalidade verde marítimo. E por fim, Mormallor é a menor e branca. Exatamente do jeito que trata essa figura representativa, que a gente encontra na Wikipédia. O livro "A Chegada em Darkover" não descreve tantos detalhes, mas no decorrer das histórias percebemos o apego dos personagens a elas, assim como suas presenças em vários acontecimentos importantes. 

Taí então um pouquinho do que é esse universo gigantesco de Darkover, que me fez fã depois de ler um dos livros da série, "Cidade da Magia", e que logo resenho aqui. E isso é, na verdade, o que mais me encantou em Marion Zimmer Bradley. Ela criou, assim como J. R. Tolkien (que sou fã incondicional), autor de "O Senhor dos Anéis", um universo inteiro de raças, crenças, mitos, culturas e histórias. E no caso dela, todas advindas de um pequeno grupo de terráqueos que certo dia caiu, quase que literalmente, "de pára-quedas" em um planeta desconhecido. 

E para quem curtiu e sentiu um pouco mais de curiosidade, logo mais resenhas da série!

Beijos!

0 comentários: